SOBRE

Minha arte começou a emergir na minha infância, sob a influência da minha mãe, que era pintora. Fui aluna do pintor Eurico Luiz e comecei a expor com 16 anos. Depois,  a psicologia me ocupou muito e expus meu trabalho artístico esporadicamente. Após  aposentar como professora da UFS resolvi me dedicar mais à arte e recomecei a expor. 
Na verdade, em síntese meu trabalho retrata o Grande Feminino em suas múltiplas faces, na mãe natureza inclusive. O sofrimento das nossas matas e mangues foi o tema que levei para a exposição do Carrousel du Louvre, em 2017 em Paris, com a série Natureza Viva. Já em Gmünd (Áustria) expus duas obras em desenho a nanquim, como tema dos observadores urbanos, ou seja, sobre como a organicidade se infiltra nas selvas de pedra. 
Creio que meu trabalho denuncia uma necessidade 
contemporânea de salvarmos o planeta dos seus excessos de racionalidade, tecnicismo e de objetividade. 
O resgate das energias do Feminino arquetípico, do que é sensível, receptivo e acolhedor, voltou a surgir nas obras de escultura que produzi nos últimos anos, com argila e cimento. Este tema está evidente na exposição de agosto de 2019, intitulada “Mutações: o Feminino em diálogo com o Tempo”, em Aracaju, na Galeria Arte Fantástica. 

Meu trabalho tem se desenvolvido na direção de sensibilizar a humanidade para o seu lado oculto, onde a natureza, como Grande Mãe,  nos acolhe em suas inúmeras manifestações  e nos conecta com nossas raízes primordiais. 

Participar de exposições, de encontros nacionais ou internacionais,  nos últimos anos, tem sido um grande e emocionante aprendizado, onde posso me relacionar com inúmeros artistas e pessoas comuns,  assim como pesquisar, descobrir  novas tendências e afinidades. Principalmente,  colocar a minha arte à mostra, popularizar, uma vez que tantos anos ficou reclusa,  sem dialogar com o público.

OBRAS LISTADAS

Conflitos familiares 1 e 2 ( coleção particular da artista).

 

1. "Diálogo Anima - Animus" (aquarela e colagem com bico de pena s/papel) ; 60x40 cm;

2. "A insustentável leveza do olhar" (bico de pena s/papel); 60 x 40 cm;

3. "A revolução do polvo" (aquarela e bico de pena); 60x40 cm;

4. "A natureza afetiva humano-vegetal" (1, 2,3 e 4): 60x40cm;

5. "A mulher-Peixe" (óleo s/tela); 80x80 cm;

6. "Os sete filhos-plantas". (Aquarela e bico de pena ); 30x40 cm;

7. "A mãe árvore" (aquarela e bico de pena); 30x40 cm;

8. "Florescer e voar" ( acrílica sobre tela); 60x60 cm;

9. "A grande mãe-Terra sofre " (óleo sobre tela); 80x80 cm;

10. "Deusa da terra" (acrílica sobre tela); 60x60 cm;

11. "O fruto humano-vegetal" (aquarela sobre tela); 30x49 cm;

12. "Mangue Vivo" (acrílica sobre tela): 60x70 cm;

13. "Floresta Viva" (acrílica sobre tela). 80x60 cm;

14. "O mito de Dafne" (acervo pessoal da artista).

15. "Unidade na diversidade" (aquarela ). 30x40 cm;

16. "Natureza - Viva" (1,2,3,4,5,6,7,8); (acrílica sobre tela). 40x40 cm;

17. "O mito de Lilith" ( 1, 2 e 3); (aquarela  e bico de pena); 60x40 cm;

18. "Máscaras 1 e 2 " (bico de pena); 40x30cm;

19. Série "Mitologia Grega" (1, 2, 3, 4,5);  ( bico de pena); 30x40 cm;

20. "Sonho Feminino" ( acrílica e bico de pena); 60x40 cm;

21. "Anima x Animus" ( aquarela); 60x40 cm.

© 2018 por Bruna Souza (Mídia/Designer Profint).

  • Instagram
  • Facebook Clean Grey